Filme O Tempo e o Vento leva raça Crioula para as telas do cinema

As cidades de Bagé e Pelotas, no Rio Grande do Sul, viveram um cotidiano que misturava ficção e realidade durante as gravações do filme O Tempo e o Vento, dirigido por Jayme Monjardim. Muitos dos cenários de locação do filme, que é uma adaptação livre da obra O continente, de Érico Veríssimo foram palco de importantes acontecimentos históricos do Rio Grande do Sul.

Segundo informações do Jornal Cavalo Crioulo da ABCCC, entre as cenas de combate e as passagens da clássica história de amor entre Bibiana e capitão Rodrigo, o cavalo Crioulo foi personagem atuante nas gravações do longa metragem que estreia este mês. De acordo com o diretor do filme, que também é criador da raça, foi necessário mais de cinco mil cavalos para a execução das filmagens e até 400 deles concentrados em apenas uma cena. “Este foi um dos motivos que nos fizeram escolher os cavalos Crioulos, além da funcionalidade e da docilidade dessa raça”, explica Jayme Monjardim. O diretor que tem em sua lista de trabalhos o filme Olga, a minissérie Chiquinha Gonzaga e a novela Terra Nostra afirmou que as gravações de O Tempo e o Vento transcorreram “maravilhosamente bem, sem nenhum acidente”.

O filme trata da história da família Terra Cambará e de sua principal opositora, a família Amaral. O conflito de 150 anos é pano de fundo para a narrativa da formação do Rio Grande do Sul e a povoação do território brasileiro. Sob o ponto de vista da luta entre as famílias, o longa retrata a demarcação das fronteiras do Brasil, forjada a ferro e espada pelas lutas entre portugueses e espanhóis. Nas cenas em que estas lutas eram retratadas, os cavalos Crioulos que à época já habitavam o território do sul do Brasil eram fundamentais. “Não houve nenhum treinamento específico e nem precisava. Grande parte das cenas era de ação, de batalha e a maioria destes cavalos já traz isso na genética”, destaca Monjardim.

 

Em Pelotas, a Charqueada São João serviu de base para a equipe de produção. Lá foram montados camarins, salas de maquiagens e preparados quartos para o repouso do elenco. O centenário casarão também foi palco da missa campal que marcou o início das gravações, no final de março de 2012. Primeiro foram as obras cenográficas, depois a chegada do elenco e, por fim, as gravações do longa-metragem.

Em Bagé, na região da Campanha, o Parque do Gaúcho foi transformado no principal cenário do filme. No espaço, que ocupa uma área de 10.000m² , foi construída a cidade cenográfica de Santa Fé. Neste local foram erguidos 17 prédios, incluindo a igreja e a casa de diversos personagens da trama. De acordo com a prefeitura do município, o local está aberto à visitação.

O diretor da produção afirma que seria impossível gravar O tempo e vento em um estúdio. “Falamos de terra, origem e raízes. Nessa região toda, você tem uma luz linda, os locais, a natureza. Foi maravilhoso filmar no Rio Grande do Sul. Admiro a cultura, a tradição e a vontade de preservar a história”, garante Monjardim. O elenco possui nomes como Marjorie Estiano interpretando a jovem Bibiana, Thiago Lacerda como capitão Rodrigo e Cléo Pires como Ana Terra. Além de Janaína Kremer, Suzana Pires, José de Abreu e a única atriz brasileira indicada ao Oscar, Fernanda Montenegro.

 

Enquanto estava em território gaúcho, o ator que interpreta a austera figura do capitão Rodrigo chegou a adquirir uma quota de 50% do cavalo Crioulo Piraí 1633 do Rio Tinto, de propriedade da Cabanha Cala Bassa, de Bagé. Este exemplar foi “colega de cena” de Lacerda durante as filmagens e lhe chamou atenção pela resistência e excelente estrutura.

 

Segundo Monjardim, após tudo sair como planejado, a reta final do lançamento do filme resguarda expectativas puramente positivas. “Esperamos que essa linda história de amor, um clássico de Érico Veríssimo e da literatura brasileira, consiga emocionar milhares de pessoas pelo Brasil”, aspira o diretor.

 

O Tempo e o Vento chegou aos cinemas gaúchos no dia 20 de setembro, data que marca o início da Revolução Farroupilha. No restante do Brasil, o longa entra em cartaz uma semana depois, no dia 27.

 

 

Deixe um comentário

Seu comentário será publicado se estiver de acordo com as políticas de publicação do site. Seu e-mail não será publicado.