Espirito Santo registra casos de mormo em equídeos

Após se manter como o único Estado da região Sudeste sem a presença de mormo, o Espírito Santo registra os primeiros casos da doença. Em abril deste ano, uma égua do Regimento de Polícia Montada do Estado apresentou sintomas da enfermidade e, junto com mais 11 animais, foi isolada para análise. Do total, dois animais já foram sacrificados devido à constatação oficial da doença, enquanto o restante está ainda sob observação. Todos os animais do regimento estão interditados.
 O produtor rural que possui equídeos na propriedade deve manter a limpeza e desinfecção das instalações, equipamentos e utensílios com hipoclorito de sódio a 1% ou desinfetantes a base de iodo a 70%.
Conheça a doença
O mormo é uma doença infectocontagiosa sem cura causada por uma bactéria que acomete, principalmente, os equídeos. Nestes animais, as chances de letalidade abrangem 95% dos casos, por isso, é recomendada a eutanásia dos positivos.

A transmissão acontece pelo contato direto com animais doentes, ingestão de água ou alimentos contaminados, contato com lesão de pele decorrentes da doença, além de contato com descargas feitas pelas vias respiratórias. A doença apresenta sintomas parecidos com o da gripe equina, podendo dificultar o diagnóstico. O animal doente apresenta emagrecimento progressivo, perda de apetite e peso, corrimento nasal viscoso com manchas de sangue, surgimento de nódulos na parte inferior do abdômen, além de lesões em torno das narinas.

Deixe um comentário

Seu comentário será publicado se estiver de acordo com as políticas de publicação do site. Seu e-mail não será publicado.