Ciclo do Enduro da raça Crioula começa sexta-feira

Neste final de semana, dias 28 e 29 de novembro, será realizada a primeira prova do ciclo do Enduro da raça Crioula.

Começa na propriedade Recanto Borghetti, em Barra do Ribeiro (RS), município localizado a cerca de 46 quilômetros da capital gaúcha, o Campeonato Brasileiro de Enduro Equestre de Cavalo Crioulo.

A prova vai integrar etapa do Campeonato Gaúcho Equestre Interraças, no qual a Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC) organiza em parceria com a Associação Gaúcha do Cavalo Árabe (AGCA).

O membro da subcomissão de Resistência da ABCCC, Rodrigo Michelon, explica que esta integração com outras raças faz parte do objetivo de aproximar o Crioulo do Enduro Internacional. A expectativa é que pelo menos cerca de 40 cavalos da raça participem da competição, onde serão selecionados animais para participar das provas da Federação Internacional de Criadores de Cavalos Crioulos (FICCC) em março de 2015, em Buenos Aires, na Argentina.

Conforme o coordenador da Subcomissão de Resistência da ABCCC, Alexandre Selistre, a estimativa é de que esta seja a primeira de cinco provas de Enduro que irão definir os campeões de 2015, ano que contará ainda com a renomada disputa da FICCC. Além disso, a união de duas importantes modalidades em uma única divisão também se apresenta como um importante avanço rumo ao desenvolvimento da área. “Quando assumimos a Comissão de Resistência unindo Marcha e Enduro foi para fazer com que ambas cresçam em volume e repercussão”, enfatiza.

Na oportunidade será possível somar pontos tanto no ranking da ABCCC quanto no Gaúcho. As tradicionais distâncias – 80 quilômetros e 50 quilômetros – ranqueiam para ambas competições, enquanto os 30 quilômetros somente para o ranking da ABCCC e os 4 quilômetros e 15 quilômetros apenas para o Gaúcho. Os participantes poderão fazer o reconhecimento do trajeto, a partir das 14h do dia 28 de novembro quando as pistas estarão liberadas para visitação.

O Enduro é uma prova de resistência e velocidade que chegou ao Brasil em 2001 e entrou para o calendário de provas oficiais da ABCCC um ano mais tarde. O regulamento da competição passou por mudanças para melhor se adaptar as características fisiológicas da raça Crioula. O percurso é dividido em etapas e compreende estradas e campos que relembram rotas percorridas antigamente pelos tradicionais gaúchos que precisavam enfrentar obstáculos naturais com os seus cavalos.

O objetivo é testar a resistência tanto do cavalo como do ginete. Vence o conjunto que apresentar melhor resultado no desempenho geral da prova, para isso é feita uma média entre a velocidade e as condições físicas do animal.

Fotos (Final Ciclo 2014 em Dom Pedrito): Fagner Almeida/ABCCC/Divulgação

Informações AgroEffective

Deixe um comentário

Seu comentário será publicado se estiver de acordo com as políticas de publicação do site. Seu e-mail não será publicado.