Cavalo Crioulo é tema de evento em Gramado, na serra Gaúcha

Terminou domingo (17), em Gramado, na serra do Rio Grande do Sul, o terceiro Simpósio da Associação Brasileira de Médicos Veterinários de Equídeos (Abraveq Sul). Nesses três dias, especialistas brasileiros, norte-americanos e argentinos palestraram para cerca de 400 profissionais e estudantes de veterinária. Simultaneamente ao evento, foi realizado o terceiro Congresso do Cavalo Crioulo.

A raça tem ficado cada vez mais popular entre os criadores brasileiros. Em todo o país, já são mais de 300 mil cavalos crioulos registrados e a expectativa para a próxima década é de uma expansão de aproximadamente 130% no número de criadores, que hoje soma quase 40 mil.

Em parceria com empresas leiloeiras, a Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC) ajuda os novos criadores a administrarem essa expansão. Os parceiros mandam os cadastros de novos compradores e a ABCCC entra em contato com eles, principalmente com os do centro do país. Isso, os aproxima do corpo técnico e é enviado o Jornal do Cavalo Crioulo, para que eles entrem na raça e se fidelizem, permaneçam criando crioulos.

Temas relevantes para a seleção, como novas técnicas reprodutivas, medicina preventiva para cavalos atletas e os padrões de julgamento do Freio de Ouro, integraram a programação do evento. Neste ano, a grande novidade foram as atividades práticas. No último dia de evento, os participantes vieram à campo, entender melhor os assuntos abordados nas palestras e mesas redondas que aconteceram durante o evento.

Com explicações realizadas, ficou mais fácil entender questões como o tempo certo para inseminar uma égua e realizar a transferência de embrião, as vantagens de utilizar o raio-x digital, além de como avaliar corretamente a conformação e os aprumos de um cavalo que participa do julgamento morfológico.

As novas ferramentas da medicina foram o destaque do dia de campo, realizado em uma cabanha, em Canela (RS), cidade vizinha a Gramado. É fundamental fazer uso da radiologia e da ultrassonografia, o que deve começar logo na aquisição de um animal.

Todas essas lições são importantes para quem tem longa experiência ou apenas começa a dar os primeiros passos, como a estudante do terceiro semestre de medicina veterinária.

Com informação: Notícias da Pecuária.

Deixe um comentário

Seu comentário será publicado se estiver de acordo com as políticas de publicação do site. Seu e-mail não será publicado.